quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

De Mais Belo?

Mas o que posso dar a não ser poemas?
Sou tão parecida com eles, se estiveres lendo, sente-me
e se me sentes, meus poemas estarão vivos...

Sei o quanto estou fraca ao dizer-me.
Não consigo mais pegar nas tuas mãos e levar-te
nos meus sonhos ao meu esconderijo

Sinto-me meio partindo, mas ficando...os poemas!


Peço aos anjos que os tragam de volta
para que eu possa ofertar-me um pouco que seja

Nada tenho para oferecer, mais santo, mais vil
mais forte e banal, mais risonho e de tantas lágrimas perdidas
como meus poemas...

Quem sabe o Mar possa ainda jogar
seus espaços espetaculares com lembranças
de uma pequena vida que boiou dando outras vidas...

Meus poemas, é tudo que tenho: são teus!

Verônica Aroucha

Nenhum comentário: